O Escriba
v2.0
Uma minoria só é impotente quando se amolda à maioria (Henry D. Thoreau)

Tecnofobia
         segunda-feira, outubro 03, 2005


         

No ano 2000, quando ainda era um repórter de esportes, presenciei uma cena emblemática. Estávamos dezenas de jornalistas do mundo inteiro na imensa sala de imprensa de Interlagos burilando as palavras finais dos textos que seriam em breve enviados às redações mundo afora quando, de repente, um ruído estranho invadiu o ambiente: tec tec tec tec terectec terec terectec tec tec terec terectec tec. O barulho era familiar a todos ali, mesmo aos mais jovens. Terec tec tec terec tec, por vezes ficava tão alto que era irresistível tentar descobrir de onde vinha... terec tec tec terec tec... Não era possível, uma máquina de escrever no meio de tantos laptops de todos os modelos e tamanhos, um mais silencioso do que outro? Eu, que certamente era um dos mais jovens ali - no início dos meus 30 anos - fazia tempo que não ouvia aquele som nem via tal maquinaria. Em redação, só n'O Fluminense, nos idos de 1996. Depois, só no hall de entrada da casa do meu tio em Copacabana, onde jazia uma enorme Underwood do início do século passado.

Pois sim, era verdade, terectec tec tec terec terectec, lá estava ela, gigante por natureza, uma imensa e reluzente Olivetti sendo catamilhografada com certa destreza por um jornalista da velha guarda. Ele nem aí pros outros, continua absorto por suas idéias certamente geniais, que lhe garantiriam um bom espaço no jornal do dia seguinte. Terec tec tec tec, ah sim, de vez em quando tinha aquele som de sino (plim!), seguido de um ronco e uma pancada - era quando terminava o parágrafo e o sujeito tinha que acionar uma alavanca para posicionar o papel no início da próxima linha.

A curiosidade e os risos dos companheiros de trabalho do dino-jornalista foram substituídos por resmungos e, por fim, reclamações e pedidos de silêncio. E o cara lá terec tec terectec tec tec tec terec tec... Até que um alemãozão levantou-se, bateu no ombro do intrépido repórter e gritou "Stop!" Foi uma gargalhada só. O dino-jornalista tentou resistir mas acabou isolado num canto da imensa sala, onde o terec tec de sua máquina mal podia ser ouvido. Um alívio.

Lembrei dessa história ao ler o novo texto do Mário Sérgio Conti no NoMínimo, no qual o veterano jornalista - foi meu bigboss no JB - destila todo seu veneno contra internautas em geral. Na verdade, contra a tecnologia em si. Será que ele também é adepto das velhas e pesadas máquinas de escrever?

Lá pelas tantas, chega a fazer uma pergunta infame: "Em busca do tempo perdido" ficaria melhor se Proust tivesse acesso ao Google? Ora, já dizia meu pai, 'se' é irmão do 'quase' e primo do 'talvez'. Conjecturas como essas são impossíveis de serem respondidas. Vale como exercício para esquentar o papo numa mesa de bar, mas não se leva a sério.

As críticas feitas no artigo publicado online - veja bem, online! - provavelmente repetem o que Gutemberg ouviu lá em 1450, quando inventou a prensa tipográfica. "Quanta baboseira será escrita e divulgada por aí", vociferou o Conti do século 15.

O texto é preconceituoso, mas não surpreendente. Volta e meia esse discurso aparece por aí, dando super-poderes malígnos à internet. Já foi assim com a televisão, agora é com a rede mundial de computadores. Pedofilia, terrorismo, racismo, intolerância, não faltam argumentos aos adeptos da cultura do medo. O medo à liberdade ganha ares de cruzada moralista. E a internet é um alvo constante.

Conti está equivocado por não ter atentado para um simples detalhe: a internet é apenas uma ferramenta. Não cria nem gera nada.

Enquanto isso, a caravana passa: a Disney começa a ensaiar mudanças radicais no mercado de entretenimento. Quando esse negócio pegar pra valer, vai sacudir as estruturas como nunca.


         # Jorge Cordeiro @ 10:02

<< Home

|


Creative Commons License
Get Firefox!


Seja assinante d'O Escriba! É só cadastrar seu email abaixo


powered by Bloglet
Defenda os Oceanos! Information Is Not Knowledge Navegando
Álbum de família
Urubus (ex-alunos do CPII)
High Times
Andy Miah
Wikipedia
Natural Resources Defense Council
Michael Moore
World Press Photo
Alan Moore
Filosofia Sufi
Attac
The Economist
BBC Brasil
Greenpeace
Warnet
O Cruzeiro digital
Subcomandante Marcos
Pedala Oposição
A For Anarchy

Blog-se
1/2 Bossa Nova e Rock'n'Roll
Projeto Luisa
Paulistanias
Idiotas da Objetividade
Primavera 1989
Lawrence Lessig
Fotolog da Elen Nas
A Noosfera
Blog do Neil Gaiman
Saturnália
Kaleidoscopio
Conversa de Botequim
Cera Quente
Blog da Regina Duarte
Coleguinhas
Cascata!
Insights
Mandrake: O Som e a Palavra
Cocadaboa
Academia
Viciado Carioca
Promiscuidade em Beagá
Stuff and Nonsense
Google Maps Mania
Laudas Críticas
Google Blog
Síndrome de Estocolmo
Tudo na Tela
Uma Coisa é Uma, Outra Coisa é Outra
Sensações
Ovelha Elétrica
Yonkis
Totally Crap
Mídia Alternativa
Guerrilla News Network
Revista Nova-E
Centro de Mídia Independente
Observatório Brasileiro de Mídia
Center For Media and Democracy
Comunix
Jornais do mundo
Disinfopedia
Agência Carta Maior
Project Censored
Stay Free Magazine
AntiWar
Red VoltaireNet
Consciência.net
Tecnologia
Electronic Frontier Foundation
Mozilla Firefox
Artigos Interessantes
Portal Software Livre BR
CNET News.com
Slashdot
Kuro5hin
Wired
Creative Commons
Engadget
Música
Downhill Battle
Soul City
Planeta Stoner
Movie Grooves
Hellride Music
Stoner Rock
Ether Music
Funk is Here
Sinister Online
Alan Lomax
Rathergood
Frank Zappa
Válvula Discos
Beatallica
Bambas & Biritas
The Digital Music Weblog
Saravá Club
8 Days In April
Violão Velho
Bad Music Radio
Creem Magazine
Detroit Rock & Roll
Afroman
Nau Pyrata
Cinema
Rotten Tomatoes
Cinema em Cena

Arquivos
Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006


Últimos Artigos
Sem palavras
Carros
Ronda Paulistana
Inovação urbanística
O estranho mundo dos LPs
Dinossauros
Fique esperto!
Peixe-boi?
Animações
Que situação...

Build free web site
Site
Meter
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

   Jorge Cordeiro  / Semear palavras, colher idéias Propulsões Digitais Redpogo
   Você é o seu próprio obstáculo - eleve-se sobre si mesmo