O Escriba
v2.0
Uma minoria só é impotente quando se amolda à maioria (Henry D. Thoreau)

Zen e a arte de ser pedestre
         sexta-feira, janeiro 06, 2006


         

Voltei a ser pedestre. A partir de agora, é bilhete único, corredor da Santo Amaro e terminal Bandeira na veia, todos os dias pro trabalho. Já venho nessa balada desde o início da semana, meu ex-carro quebrou no primeiro dia do ano (lembra? relatei o fato alguns tópicos abaixo) e desde então está na oficina. Não tem volta, vendi pro Carlinhos, motorista camarada lá do jornal que estava há tempos de olho no Gol 1.0 1996 prata, igualzinho aos carros que o JB tinha quando eu cheguei aqui em 1999. Vou sentir saudades dele...

Mas enfim... as minhas atuais condições econômicas não permitem mais tamanho luxo. Estou em fase de economia de guerra. Não adiantou nada eu ter me vestido de amarelo na virada do ano, feito um ovo. Em menos de uma semana já perdi uma grana preta. Vai ver sou geneticamente pobre, sei lá, a Ana odeia que eu fale isso. O caso é que entrei no projeto dívida zero 2006. Mas já comprei um monitor LCD 17" parcelado em 12... :)

Até que não é o fim do mundo voltar a ser pedestre. Ok, São Paulo é uma cidade gigante, ficar a pé é uma temeridade, um carro ajuda muito e tal, mas tenho usado os ônibus pra circular pra lá e pra cá e não tenho nada do que me queixar. Pelo contrário. Tia Marta deixou um sistema de qualidade - tanto nos veículos como nos corredores. Levo 20 míseros minutos pra chegar no trabalho de manhã e outros 20 pra voltar pra casa, mesmo no horário do rush (como hoje). Em ônibus novos em sua maioria, diga-se de passagem. Agora parece que o bilhete único vai valer também no metrô, se bem que é uma puta picaretagem, enquanto no ônibus pode-se pegar quantos quiser num período de duas horas pagando uma passagem só, no metrô só pode uma vez (cobrando R$ 1) e por enquanto só na linha 2. E os putos do Mr. Burns e Gerarrrrrrrrrdo ainda vão capitalizar em cima disso, de olho na eleição.

De qualquer maneira, vou aproveitar essa nova fase pra circular mais pelo centro, coisa que curto e que com carro não rola. Carro é que nem cheiração de pó, um puta vício egoísta, que a gente só larga quando acontece uma merda tipo quebra ou roubo. Esta semana mesmo já fiz uma porrada de coisas que não fazia há tempos, descobri caminhos, bares, padarias, lojas, biroscas, vendinhas, um mundo por entre becos e multidões. De quebra posso até perder uns quilinhos e diminuir esta pança ridícula.

E ainda vou aproveitar pra curtir boa parte dos MP3s que baixei nos últimos tempos. Fiz um CD com 113 músicas, Brant Bjork, Che, Hermano, Fumanchu, Living Things (o site deles é duca, vale a visita enquanto escuta Bom Bom Bom), Unida, Monster Magnet, Rocket From The Crypt e uma pá de outros sons, só pauleira.

A propósito, Josh Homme (ex-Kyuss e atual Queens of Stone Age) anunciou na página do seu projeto Desert Sessions que os seis primeiros discos das sessões no deserto serão relançados em edições limitadas (de CD e vinil) a partir de abril. Nos EUA apenas, provavelmente. O album de vinil será duplo como nos bons tempos, 1/2, 3/4, 5/6. Os 7/8 e 9/10 já saíram faz tempo. Tenho os dez em MP3, be my guest quem se interessar, jhcordeiro no slsk.

Essas sessões no deserto que o Josh promove com amigos deve ser uma puta terapia pro cara, de repente até um laboratório pro Queens of Stone Age. Eles se reúnem sempre no Rancho de la Luna, um estúdio no meio do deserto. Sem preocupações mercadológicas, levam um som descompromissado e honesto. Coisa rara por aí. De repente, numa dessas, o bom e velho Kyuss se reúne de novo. Josh e John Garcia (vocal que tá no Hermano e mandou bala um tempo no Unida) quebraram o gelo no final do ano passado, depois de oito anos falando cobras & lagartos um do outro.

Só não levo um livro pra ler no ônibus porque me dá uma puta dor de cabeça aquele balanço todo, fico enjoado, não rola. Se ainda fosse metrô, mas enfim, só o fato de ficar uma horinha refletindo sobre a vida, a cidade, as ruas, as pessoas, a música, já vale. Até que tenho arrumado tempo pra ler, acabei meu 10o. livro do ano, o Reações Psicóticas do Lester Bangs, livreto na verdade, curtinho, 128 páginas em formato de livro de bolso, mas intenso a vera, Lester era um jornalista de música como não existem mais, só temos levanta-e-corta na imprensa, nunca vi ninguém chegar pro Milton Nascimento e falar na lata, "porra, negâo, tu tá cantando mal pracaralho, pára de cheirar, porra!", ou dizer pra Gal que ela desperdiçou 80% da carreira dela com um monte de lixo. Qual o problema afinal? É gente como a gente, Lester diz isso a certa altura no livro, sempre pensei assim, vaca sagrada não é comigo, sigo essa cartilha no jornalismo, mas ô povinho corporativista. Colocamos uns bostas no olimpo pop e dá no que a gente vê todo dia na TV, bando de gente vazia, oca, que não junta lé com cré e cagam uma regra com a autoridade de um deus morto que brilha ao som de falsas trombetas. Tem na música, no esporte, no jornalismo, na política, na economia, na literatura...

O texto em que Lester Bangs descreve a entrevista de mais de duas horas que teve com Lou Reed é coisa de outro mundo. Mamado de Jack Daniels e valiums, trocam farpas, ofensas, medem forças, gostos, num duelo de titãs do pop que pinta bem o retrato da década de 1970. E nunca li um texto que definisse tão bem o Jethro Tull (no livro, fala sobre o disco Thick as a Brick). Ninguém parece conhecer mais o roquenrol do que ele, ou melhor, ninguém soube traduzir melhor as entranhas do roquenrol do que ele.

Martin Scorcese até que chega lá, mas por outros meios. Li Reações Psicóticas logo depois de ver o documentário do Bob Dylan, o No Direction Home, outra preciosidade. Dylan talvez seja uma das figuras mais enigmáticas de todos os tempos. Cantor de protesto? Oportunista? Cantor Folk? Arruaceiro? Poeta beat? Profeta? Acho que de tudo um pouco. O cara atravessou quatro décadas sem que ninguém conseguisse encaixotá-lo. Scorcese foi malandro ao não perseguir isso. O documentário abrange apenas o período entre 1961, quando Dylan decide o que quer ser, e 1966, quando dá asas à sua criação, saindo do casulo para longe da lama da mesmice. Foi nesse ano que ele lançou Blonde on Blonde, um dos discos mais importantes da história!

Scorcese deixa a corrente fluir em dois DVDs (três horas e uns quebrados, fora os excelentes extras), construindo o personagem Dylan com as lembranças, decepções, alegrias, expectativas e idealizações de muita gente que conviveu com ele, antes do sucesso e depois que foi alçado à condição de profeta divino - coisa que abominava e sempre que podia tripudiava de quem assim o via, principalmente a imprensa. Para fortalecer ainda mais a construção do personagem, Scorcese usa o contraponto do próprio Dylan comentando fatos já narrados sob sua perspectiva para dar uma tridimensionalidade a história toda, ajudando o espectador a entendê-lo um pouco mais. Um bom quebra-cabeça que exige mais de uma sessão, fácil.

O foda, no entanto, é que Dylan, que não é bobo nem nada, deixa no ar sempre, com aquele olhar de quem sabe algo que ninguém mais sabe, que tem muito mais na manga e não revela nem a pau. Quem sabe num próximo documentário?

Este tópico ficou enorme, bem ao estilo das letras quilométricas do Dylan... hehehehh, ah, e dizem que todo mundo tem uma música preferida de Bob Dylan. Pois a minha é:

Tombstone Blues (do disco Highway 61 Revisited, de 1965)

The sweet pretty things are in bed now of course
The city fathers they're trying to endorse
The reincarnation of Paul Revere's horse
But the town has no need to be nervous

The ghost of Belle Starr she hands down her wits
To Jezebel the nun she violently knits
A bald wig for Jack the Ripper who sits
At the head of the chamber of commerce

Mama's in the fact'ry
She ain't got no shoes
Daddy's in the alley
He's lookin' for the fuse
I'm in the kitchen
With the tombstone blues

The hysterical bride in the penny arcade
Screaming she moans, "I've just been made"
Then sends out for the doctor who pulls down the shade
Says, "My advice is to not let the boys in"

Now the medicine man comes and he shuffles inside
He walks with a swagger and he says to the bride
"Stop all this weeping, swallow your pride
You will not die, it's not poison"

Mama's in the fact'ry
She ain't got no shoes
Daddy's in the alley
He's lookin' for the fuse
I'm in the kitchen
With the tombstone blues

Well, John the Baptist after torturing a thief
Looks up at his hero the Commander-in-Chief
Saying, "Tell me great hero, but please make it brief
Is there a hole for me to get sick in?"

The Commander-in-Chief answers him while chasing a fly
Saying, "Death to all those who would whimper and cry"
And dropping a bar bell he points to the sky
Saving, "The sun's not yellow it's chicken"

Mama's in the fact'ry
She ain't got no shoes
Daddy's in the alley
He's lookin' for the fuse
I'm in the kitchen
With the tombstone blues

The king of the Philistines his soldiers to save
Puts jawbones on their tombstones and flatters their graves
Puts the pied pipers in prison and fattens the slaves
Then sends them out to the jungle

Gypsy Davey with a blowtorch he burns out their camps
With his faithful slave Pedro behind him he tramps
With a fantastic collection of stamps
To win friends and influence his uncle

Mama's in the fact'ry
She ain't got no shoes
Daddy's in the alley
He's lookin' for the fuse
I'm in the kitchen
With the tombstone blues

The geometry of innocent flesh on the bone
Causes Galileo's math book to get thrown
At Delilah who sits worthlessly alone
But the tears on her cheeks are from laughter

Now I wish I could give Brother Bill his great thrill
I would set him in chains at the top of the hill
Then send out for some pillars and Cecil B. DeMille
He could die happily ever after

Mama's in the fact'ry
She ain't got no shoes
Daddy's in the alley
He's lookin' for the fuse
I'm in the kitchen
With the tombstone blues

Where Ma Raney and Beethoven once unwrapped their bed roll
Tuba players now rehearse around the flagpole
And the National Bank at a profit sells road maps for the soul
To the old folks home and the college

Now I wish I could write you a melody so plain
That could hold you dear lady from going insane
That could ease you and cool you and cease the pain
Of your useless and pointless knowledge

Mama's in the fact'ry
She ain't got no shoes
Daddy's in the alley
He's lookin' for the fuse
I'm in the kitchen
With the tombstone blues


         # Jorge Cordeiro @ 19:36

<< Home

|


Creative Commons License
Get Firefox!


Seja assinante d'O Escriba! É só cadastrar seu email abaixo


powered by Bloglet
Defenda os Oceanos! Information Is Not Knowledge Navegando
Álbum de família
Urubus (ex-alunos do CPII)
High Times
Andy Miah
Wikipedia
Natural Resources Defense Council
Michael Moore
World Press Photo
Alan Moore
Filosofia Sufi
Attac
The Economist
BBC Brasil
Greenpeace
Warnet
O Cruzeiro digital
Subcomandante Marcos
Pedala Oposição
A For Anarchy

Blog-se
1/2 Bossa Nova e Rock'n'Roll
Projeto Luisa
Paulistanias
Idiotas da Objetividade
Primavera 1989
Lawrence Lessig
Fotolog da Elen Nas
A Noosfera
Blog do Neil Gaiman
Saturnália
Kaleidoscopio
Conversa de Botequim
Cera Quente
Blog da Regina Duarte
Coleguinhas
Cascata!
Insights
Mandrake: O Som e a Palavra
Cocadaboa
Academia
Viciado Carioca
Promiscuidade em Beagá
Stuff and Nonsense
Google Maps Mania
Laudas Críticas
Google Blog
Síndrome de Estocolmo
Tudo na Tela
Uma Coisa é Uma, Outra Coisa é Outra
Sensações
Ovelha Elétrica
Yonkis
Totally Crap
Mídia Alternativa
Guerrilla News Network
Revista Nova-E
Centro de Mídia Independente
Observatório Brasileiro de Mídia
Center For Media and Democracy
Comunix
Jornais do mundo
Disinfopedia
Agência Carta Maior
Project Censored
Stay Free Magazine
AntiWar
Red VoltaireNet
Consciência.net
Tecnologia
Electronic Frontier Foundation
Mozilla Firefox
Artigos Interessantes
Portal Software Livre BR
CNET News.com
Slashdot
Kuro5hin
Wired
Creative Commons
Engadget
Música
Downhill Battle
Soul City
Planeta Stoner
Movie Grooves
Hellride Music
Stoner Rock
Ether Music
Funk is Here
Sinister Online
Alan Lomax
Rathergood
Frank Zappa
Válvula Discos
Beatallica
Bambas & Biritas
The Digital Music Weblog
Saravá Club
8 Days In April
Violão Velho
Bad Music Radio
Creem Magazine
Detroit Rock & Roll
Afroman
Nau Pyrata
Cinema
Rotten Tomatoes
Cinema em Cena

Arquivos
Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006


Últimos Artigos
Novos tempos na América Latina
Devolve, Heloísa!!
Qual a intenção do jornalismo?
O primeiro dia do ano
Feliz 2006 !!!
Fazendo a cabeça de Gisele Bundchen
Treinamento
Espírito Natalino 2
Velhinhos
Espírito natalino

Build free web site
Site
Meter
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

   Jorge Cordeiro  / Semear palavras, colher idéias Propulsões Digitais Redpogo
   Você é o seu próprio obstáculo - eleve-se sobre si mesmo